Coimbra

Assistente contraria arguidos sobre fichas falsas no PS/Penela

Assistente contraria arguidos sobre fichas falsas no PS/Penela

A assistente no processo que atinge o PS de Penela e envolve fichas falsas de militantes, votos fantasma e pagamento de quotas por parte de terceiros, Cristina Martins, prestou declarações, no Tribunal de Coimbra, esta sexta-feira, que contrariam as dos dois arguidos do caso.

Cristina Martins disse que tanto Renato França, ex-presidente da concelhia de Penela, como Rui Horta, ex-secretário coordenador da secção de Penela, conheciam Fernando Pereira, militante socialista da Sé Nova (Coimbra), e até frequentavam a casa deste.

"Faziam almoços em Santo Varão; o Fernando, de 15 em 15 dias, fazia lá umas patuscadas", afirmou Cristina Martins, acrescentando que, para além de Renato França e Rui Horta, participavam nos repastos figuras do PS como Álvaro Beleza ou o deputado Pedro Coimbra, atual presidente da distrital de Coimbra dos socialista. "As fichas foi tudo feito lá", apontou Cristina Martins.

Já Renato França e Rui Horta tinham declarado em tribunal que não conheciam Fernando Pereira antes de este lhes propor a inscrição de 52 novos militantes no PS/Penela. Nenhum dos dois soube também explicar a existência de fichas com dados falsos, nomeadamente residências e locais de trabalho, votos que foram colocados nas urnas em eleições internas do PS com assinaturas dos votantes forjadas e quotas de militantes pagas por terceiros.

Cristina Martins, ex-secretária coordenadora da secção do PS da Sé Nova (Coimbra) declarou que Fernando Pereira se tornou militante na sua secção, a partir de 2011, e "granjeou muitos militantes só para uma fação; a de Pedro Coimbra".

Entre os 52 novos militantes que entraram para a concelhia de Penela, 15 constaram dos cadernos eleitorais que originaram a eleição de Pedro Coimbra para presidente da distrital de Coimbra, em junho de 2012, derrotando Mário Ruivo.

No dia desse escrutínio, Cristina Martins contou que viu Luís Noro "a chorar". Luís Noro era o representante de Mário Ruivo na mesa de voto de Penela e, segundo Cristina Martins, recebeu um telefonema para ir levar boletins de voto ao Espinhal. Quando regressou, percebeu "que votou muita gente que não é de Penela".

Por seu turno, Rui Horta afirmou que as notícias sobre este caso têm prejudicado a militância no PS em Penela. De tal modo que, nas últimas eleições autárquicas, o partido apresentou lá um candidato residente em Coimbra, apesar de esse candidato, derrotado, ter ligações a Penela.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG