Crime

Filho de funcionário guineense raptado em Portugal. Suspeitos detidos

Filho de funcionário guineense raptado em Portugal. Suspeitos detidos

O filho de um alto funcionário público da Guiné-Bissau foi raptado, em janeiro, na região de Lisboa, e mantido em cativeiro durante três dias, sob ameaças de morte e violência. Esta terça-feira, a PJ deteve quatro suspeitos do rapto.

De acordo com informações recolhidas pelo JN, as detenções foram levadas a cabo pela brigada de luta contra o banditismo da Unidade Nacional de Contraterrorismo da PJ, que realizou várias buscas na Grande Lisboa, como na zona da Moita, na margem sul do Tejo, o local onde a vítima foi mantida em cativeiro.

Os detidos são de várias nacionalidades, como portugueses, guineenses e cabo verdianos.

"A vítima foi raptada na via pública com contornos de grande violência, tendo sido mantida em cativeiro durante três dias, onde foi submetida a constantes ameaças e agressões de modo a coagirem os seus familiares ao pagamento de resgate. Após ter sido manietado no concelho da Amadora, foi transportado para uma residência sita no concelho da Moita, onde se manteve em cativeiro até ao dia da sua libertação", explicou a PJ em comunicado.

Segundo avançou a TVI, a vítima é o filho do diretor nacional dos Serviços de Imigração da Guiné. A família terá pago cinco mil euros de resgate, para libertar a vítima.

Os detidos serão presentes a primeiro interrogatório judicial para a aplicação da medida de coação tida por conveniente junto do Tribunal de Instrução Criminal do Barreiro.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG