Tribunal

Fotos de sexo usadas para extorquir assessor da Câmara de Guimarães

Fotos de sexo usadas para extorquir assessor da Câmara de Guimarães

Três mulheres e dois homens em julgamento. Exigidos milhares de euros para não divulgar imagens nas redes sociais e a amigos.

Um assessor do presidente da Câmara de Guimarães apresentou queixa contra dois homens e três mulheres por chantagem e agressão, tentativa de agressão e extorsão. Em causa no processo, já em julgamento, está o relacionamento sexual entre o assessor (com funções delegadas pelo presidente para que exerça funções em outro serviço que não o apoio direto ao edil) e alto quadro da Autarquia, que terá começado em 2016. No decurso das relações sexuais, a mulher, de 44 anos, agora arguida, fotografou o assistente em poses íntimas e sem roupa, chantageando-o posteriormente.

Segundo a acusação do Ministério Público (MP), o funcionário, R.L.R., que é assistente no processo, mostrou-se, de início, contrário à realização de fotografias mas acabou por consentir. O processo está ser julgado em Guimarães, mas a primeira sessão foi adiada.

A posse das fotos "comprometedoras" e a ameaça de publicação nas redes sociais e de as distribuir por amigos do assessor fez com que este aceitasse, por várias vezes, dar dinheiro à mulher com quem se envolvera sexualmente. Em abril de 2016, a título de empréstimo, ainda antes da existência das imagens, o funcionário da Câmara e destacado militante do Partido Socialista entregou à mulher 1030 euros. Entre essa data e o dia 17 de agosto houve vários encontros. Do processo consta ainda que, nesse dia, num café da cidade, a arguida terá informado o assessor de que sofreu lesões sexuais na sequência do seu relacionamento, e não podia levar "uma vida normal". Na mesma altura, a mulher pediu 200 euros para não enviar as imagens a várias entidades vimaranenses. O homem pagou, acrescentado mais dez euros para a compra de um cartão descartável para o telemóvel.

No total, o assessor terá pago mais de dois mil euros. Do que o MP apurou, o assistente e a arguida encontraram-se, mais do que uma vez, no posto de trabalho do assessor (no edifício central da Câmara de Guimarães). Num dos encontros, a mulher pediu 25 mil euros, ameaçando entregar à secretária do presidente da Câmara da altura uma "pen" com as fotos em causa e divulgá-las no Facebook. Como o assessor recusou pagar, a arguida pediu ajuda a quatro conhecidos, alegadamente com o objetivo de o intimidar.

Em agosto e setembro houve vários encontros. Num deles, na casa do funcionário, o grupo tê-lo--á agredido, ameaçado com uma navalha e atado, com panos brancos, os braços e as pernas. Para além dos 25 mil euros, o grupo, de acordo com a acusação, queria ainda ouro. A alegada vítima conseguiu fugir depois de iludir o grupo com a promessa de que iria a um multibanco levantar dinheiro.

A autora das fotos está acusada da prática de dois crimes de extorsão e um de fotografias ilícitas. É ainda coautora, juntamente com os outros três arguidos, de um crime de extorsão na forma tentada. As três mulheres identificadas no processo respondem ainda por roubo na forma tentada.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG