SEF

Funcionária da TAP suspeita de tráfico humano fica em preventiva

Funcionária da TAP suspeita de tráfico humano fica em preventiva

Uma funcionária da TAP, detida no sábado, por suspeita de tráfico humano, ficou, esta segunda-feira, em prisão preventiva.

A mulher, que trabalhava em Luanda, foi detida pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras à saída de um voo, no aeroporto de Lisboa, por suspeita de tráficos de seres humanos.

O SEF confirmou a detenção de "uma cidadã estrangeira de 31 anos, por suspeita dos crimes de tráfico de seres humanos e de auxílio à imigração ilegal, proveniente de um voo de Luanda, Angola, com trânsito para Casablanca, Marrocos".

"A mulher, que se fazia acompanhar de outras duas cidadãs adultas, de 27 e de 31 anos, e de dois menores, de 1 e 7 anos, todos estrangeiros, foram detetadas na aérea internacional do aeroporto pelos Inspetores do SEF. Quando questionadas sobre os seus documentos, afirmaram não tê-los em sua posse e que estariam com uma outra mulher, que identificaram, na altura, como sendo a cidadã agora detida", revela o comunicado. A situação foi encaminhada para a equipa de combate ao Tráfico de Seres Humanos.

Confrontada com o caso, fonte oficial da TAP confirma, em resposta enviada por email, "que uma funcionária da Companhia, com funções nos escritórios da empresa em Luanda, foi detida. A TAP, como sempre, colabora com as autoridades de investigação".