Crime

Homem babysitter abusava de crianças a seu cuidado

Homem babysitter abusava de crianças a seu cuidado

Foi detido em outubro do ano passado e ficou em prisão preventiva pela prática de quatro crimes de abuso sexual de crianças. Em março, foi acusado pelo Ministério Público e, em julho, foi condenado a seis anos e meio de prisão, pena que está a cumprir na Carregueira. Homem babysitter lidava com menores há cerca de dez anos, em escolas, casas de clientes e num hotel de luxo.

Tem 31 anos e trabalhava como auxiliar de educação no ensino básico e babysitter. Passou por vários estabelecimentos de ensino de Oeiras, por um centro de acolhimento infantil da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa e por um centro paroquial de Porto Salvo. Trabalhou para agências e por conta própria. E fazia serviço ao domicílio. Terá sido numa dessas ocasiões que, em setembro de 2018, uma das crianças abusadas contou a verdade aos pais.

Numa reportagem do jornal "Público", revela-se que os abusos foram cometidos num apartamento no centro de Lisboa, quando os pais de um menino de seis anos foram para um concerto e pagaram ao babysitter para cuidar do filho naquela noite. Viria a ficar provado em tribunal que o homem abusou da criança e só parou "quando o menor lhe implorou que parasse", segundo o processo consultado por aquele jornal.

Na altura, o suspeito foi detido e ficou em prisão preventiva após interrogatório judicial por se considerar existir perigo de continuação da atividade criminosa. Segundo a PJ, os abusos sexuais foram cometidos entre 2017 e setembro de 2018, no decurso da atividade de babysitter.

Em março, foi acusado pelo Ministério Público. O arguido, "assistente operacional na área de educação numa câmara municipal e babysitter, é suspeito de, entre 2017 e setembro de 2018, ter cometido tais crimes no exercício da sua atividade como babysitter e nos locais onde era chamado a desempenhar a mesma atividade", informava a Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa.

No final de julho, foi condenado por um trio de juízes a seis anos e meio de prisão, pena que está a cumprir na Carregueira, e ficou inibido de falar com crianças a nível profissional durante 10 anos e meio, avança o "Público".

Aquele jornal revela ainda que o homem terá abusado de crianças num hotel de luxo em Sintra. O resort não tem serviço próprio de babysitting, mas indica aos pais a quem podem recorrer enquanto ficam alojados. A PJ encontrou comprovativos de que o babysitter tomou conta de crianças naquele hotel pelo menos 15 vezes, entre 2017 e 2018. Os inspetores da PJ não conseguiram identificar as vítimas. Entraram em contacto com alguns pais no estrangeiro, mas estes negaram que o babysitter possa ter cometido abusos sexuais com os filhos.