Exclusivo

Homicidas de Mota JR pedem absolvição por causa de antenas

Homicidas de Mota JR pedem absolvição por causa de antenas

Recurso de arguidos condenados a 23 anos por morte de rapper alega que falta prova da sua presença no local do crime. Advogado diz que a única testemunha comprometedora é "mentirosa e manipuladora".

Os arguidos João Luizo, Edi Barreiros e Fábio Martins recorreram da pena de 23 anos que lhes foi aplicada pela alegada autoria do homicídio, registado em março de 2020, do rapper Mota JR. Pedem a absolvição, alegando que as antenas telefónicas não os situam no local do crime, tendo elas um raio de ação de cinco quilómetros.

A rapariga usada como isco, Catarina Sanches, foi condenada a prisão efetiva de quatro anos e, no seu recurso para o Tribunal da Relação de Lisboa, pede antes a suspensão da pena. Invoca a idade, a integração social e a colaboração que deu às autoridades na investigação ao crime.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG