Exclusivo Edição Impressa

Cerca de 170 mil trocam prisão e multa por trabalho comunitário

Cerca de 170 mil trocam prisão e multa por trabalho comunitário

Aumento exponencial do trabalho comunitário no último decénio fez-se sentir mais na substituição de penas de multa e na suspensão provisória de processo.

Nos últimos dez anos, 169 580 pessoas aceitaram prestar trabalho comunitário para evitarem uma acusação criminal e o julgamento, para não irem presos ou para não pagarem multas. O número retira-se de dados da Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais e revela que a prestação de trabalho a favor da comunidade aumentou exponencialmente após a reforma penal que entrou em vigor em 2008.

Leia a nossa Edição Impressa ou tenha acesso a todo o conteúdo no seu computador, tablet ou smartphone assinando a versão digital aqui

ver mais vídeos