Operação Marquês

Advogados de Salgado pedem inquérito pela divulgação dos interrogatórios

Advogados de Salgado pedem inquérito pela divulgação dos interrogatórios

Os advogados de Ricardo Salgado requereram ao Departamento Central de Investigação Criminal a abertura de um processo-crime a propósito da divulgação de imagens dos interrogatórios da Operação Marquês que envolve o antigo primeiro-ministro José Sócrates.

Alguns órgãos de comunicação social têm divulgado imagens dos interrogatórios no âmbito da Operação Marquês e do inquérito à queda do chamado "Universo BES", onde surge o antigo banqueiro do Banco Espírito Santo.

No requerimento enviado esta quarta-feira, com conhecimento da Procuradora-Geral da República, Joana Marques Vidal, e a que a agência Lusa teve acesso, os advogados pedem que não só se abra um inquérito sobre a divulgação das imagens como se tomem medidas para a "imediata cessação da atividade criminosa".

No documento, de sete páginas, requer-se ainda que o Ministério Público comunique os factos (divulgação do interrogatório) à Comissão da Carteira Profissional de Jornalista, para que esta possa "proceder à instauração e promoção dos competentes processos disciplinares", e os comunique também à Entidade Reguladora para a Comunicação Social, para efeitos da "instauração e promoção dos competentes processos de contraordenação".

No requerimento, os advogados Francisco Proença de Carvalho e Adriano Squilacce lembram que a gravação audiovisual do interrogatório foi divulgada pelas estações televisivas SIC e Correio da Manhã (e pelo jornal), e pela revista Sábado, e lembram que tal é proibido por lei, a não ser que haja uma autorização expressa.

"O ora arguido não foi notificado de qualquer autorização para transmissão dos interrogatórios acima referidos e, muito menos, foi notificado para se opor à transmissão da gravação audiovisual do seu interrogatório", dizem os advogados no requerimento, acrescentando que nunca foi autorizada a divulgação pública do interrogatório.

Os advogados referem ainda as "infindáveis violações do Segredo de Justiça" durante os anos em que o processo esteve em fase de inquérito, perante a "manifesta apatia do Ministério Público", e dizem que o arguido Ricardo Salgado e a defesa não podem "ficar inertes perante a prática de um crime de desobediência e, ainda para mais, de forma pública e notória".

Citando os nomes dos jornalistas que se constituíram assistentes no processo, citando diversas leis, os advogados requerem que sejam extraídas "certidão dos requerimentos de constituição de assistente dos Assistentes acima identificados e, ainda, do presente requerimento, com vista à promoção de inquérito-crime (...) pela eventual prática do crime de desobediência, com vista ao apuramento das responsabilidades criminais das pessoas e entidades responsáveis".

A divulgação das peças processuais do caso Operação Marquês e do inquérito à queda do BES foi criticada pela Ordem dos Advogados e pelo presidente da Associação Sindical dos Juízes Portugueses. A procuradora-geral da República também disse ter ficado desagradada com a divulgação dos interrogatórios.

Na terça-feira o Ministério Público anunciou a abertura de um inquérito para investigar a divulgação dos interrogatórios, considerando que a divulgação "está proibida".

José Sócrates e Ricardo Salgado são dois dos acusados no processo Operação Marquês.

ver mais vídeos