Medida de coação

Autarca de Vila Verde acusado de corrupção proibido de sair do país

Autarca de Vila Verde acusado de corrupção proibido de sair do país

O presidente da Câmara de Vila Verde, detido por suspeita de corrupção e prevaricação, foi esta quarta-feira sujeito às medidas de coação de proibição de se ausentar do país e contactar com o outro arguido no processo.

António Vilela (PSD) foi detido na terça-feira por suspeitas de crime de corrupção, prevaricação, participação económica em negócio e abuso de poder. No âmbito da mesma investigação, foi também detido o proprietário da Escola Profissional Amar Terra Verde, que saiu em liberdade com as mesmas medidas de coação do autarca, aplicadas pelo Tribunal de Braga.

Em declarações aos jornalistas, o advogado da autarquia de Vila Verde, Pedro Costa, mostrou-se satisfeito com as medidas de coação aplicadas pela juíza de instrução criminal Magda Cerqueira.

Em causa estará um caso de alegada prática dos crimes de corrupção e prevaricação no processo de alienação Escola Profissional Amar Terra Verde (EPATV) a uma empresa privada, na concessão de um parque estacionamento à superfície e na construção de um parque de estacionamento a uma empresa do setor da construção civil.

Durante a tarde, a Polícia Judiciária adiantou ainda que foram apreendidos "bens de valor elevado", designadamente "automóveis e elevadas quantidades de dinheiro", sem detalhar montantes.