Justiça

Benfica refuta suspeitas de pagar para F.C. Porto perder

Benfica refuta suspeitas de pagar para F.C. Porto perder

A Polícia Judiciária e o Ministério Público reuniram indícios de que o Benfica prometeu pagar 10 mil euros a cada futebolista do Aves como incentivo para ganhar ao F. C. Porto, na época passada.

Estas suspeitas levaram já as autoridades a efetuar buscas às instalações do clube da Luz, do clube do concelho de Santo Tirso e a vários dirigentes e jogadores.

As diligências judiciais aconteceram no final de junho, no âmbito da operação da PJ do Porto com a denominação de código "Mala Ciao", visando ainda o Vitória de Setúbal e o FC Paços de Ferreira, num inquérito por crimes de corrupção ativa, corrupção passiva, tráfico de influências e oferta indevida de vantagens, no fenómeno desportivo.

Confrontado pelo JN sobre esta matéria sob averiguação judicial, o Benfica não prestou qualquer esclarecimento até à hora de fecho desta edição.
De acordo com informações recolhidas pelo JN, a concreta suspeita de que o Benfica terá oferecido tal "prémio" surgiu numa investigação com base numa denúncia anónima que visava em especial alguns ex-dirigentes do Desportivo das Aves.

Efetuadas diligências, além de outras suspeitas, os investigadores reuniram indícios no sentido de que vários futebolistas terão sido emprestados de forma oculta ao clube das Aves, pois o Benfica mantinha opção de "recompra". Seria, desta forma, contornada a limitação regulamentar de um máximo de três empréstimos entre clubes, que tem em vista evitar precisamente relações de subordinação ou dependência entre clubes da Liga.

Em causa estariam supostas irregularidades em contratos celebrados em 2016, nomeadamente, entre outros, nos casos de quatro futebolistas que tinham ligação ao clube da Luz.


Inquérito-crime em 2018

Disputado na 29.ª jornada da época passada, a 8 de abril, o jogo F. C. Porto-Desportivo das Aves revelou-se fulcral na luta pelo título, em face da acesa disputa entre os dragões e os encarnados. Terminou com uma vitória portista por 2-0.

Iniciada em 2018, mediante uma denúncia concreta apontando a alguns dos dirigentes do clube de Vila das Aves, a investigação da brigada de combate à corrupção da PJ do Porto apurou que, no contexto da preparação daquele jogo, terá havido promessa de pagamento de luvas no valor de 10 mil euros por parte do Benfica a cada futebolista, em caso de conseguirem derrotar o F. C. Porto.

O jogo terminou com vitória dos portistas, resultado obviamente não abrangido por qualquer prémio prometido. No entanto, os indícios no sentido da oferta foram suficientes para motivar, em junho, diligências de recolha de prova junto dos clubes, dirigentes e futebolistas suspeitos, num raide total de 24 buscas.


"Jogo da mala" é ilícito

A estratégia de pagar a adversários para incentivar a derrotar rivais - conhecida como "jogo da mala" - só passou a ser criminalizada a partir de maio do ano passado, com a criação do ilícito de "oferta ou recebimento indevido de vantagem".

Este crime prevê pena de prisão até cinco anos para o agente que "por si ou por interposta pessoa, com o seu consentimento ou ratificação, por interposta pessoa, solicitar ou aceitar, para si ou para terceiro, direta ou indiretamente, no exercício das suas funções ou por causa delas, sem que lhe seja devida, vantagem patrimonial ou não patrimonial, ou a sua promessa, de agente que perante ele tenha tido, tenha ou possa vir a ter pretensão dependente do exercício dessas suas funções". No que se refere ao agente que oferecer a vantagem, a pena é inferior: até três anos de cadeia.

Leia a nossa Edição Impressa ou tenha acesso a todo o conteúdo no seu computador, tablet ou smartphone assinando a versão digital aqui

ver mais vídeos