Premium

Burlão que chegou a estar na lista do FBI enganou funerárias na cadeia

Burlão que chegou a estar na lista do FBI enganou funerárias na cadeia

Allan Guedes Shariff, o luso-americano que ficou conhecido em 2007 por tentar assaltar um banco em Miami e outras instituições, por telefone, com ameaças de bomba, e por ter burlado várias financeiras internacionais, enfrenta novo processo judicial que começa a ser julgado esta quarta-feira no Tribunal de Aveiro. Desta vez, responde por quatro crimes de burla a funerárias, feitas a partir da cadeia.

Em 2014, quando estava preso na Guarda por outros processos, um dos quais resultara, um ano antes, numa condenação também por burlas cometidas a partir da prisão, teceu mais um plano, desta vez para enganar funerárias e sempre por telemóvel, refere o Ministério Público na acusação.

Shariff começou por solicitar às empresas a transferência de quantias para contas bancárias que indicava, com o pretexto de transladar para Portugal corpos de familiares falecidos no estrangeiro, comprometendo-se a entregar os serviços às funerárias. As contas pertenciam a familiares e amigos seus ou de outros reclusos, que depois lhe faziam chegar o dinheiro. Num dos casos, usou a conta da namorada de um companheiro de prisão para receber uma verba supostamente enviada por um familiar, do estrangeiro.