Feira

Casal agrediu militares da GNR a soco e tribunal não aplicou medidas de coação

Casal agrediu militares da GNR a soco e tribunal não aplicou medidas de coação

Dois militares da GNR de Lourosa, Santa Maria da Feira, tiveram de receber tratamento hospitalar após serem agredidos a soco, na madrugada desta quarta-feira, por um casal com cerca de 50 anos que já tinha agredido e ameaçado de morte vizinhos do prédio onde reside, na freguesia de S. João de Ver.

Segundo o JN apurou, a patrulha, composta por um homem e por uma mulher, foi agredida pelo casal logo à chegada ao local da ocorrência, um prédio perto do centro comercial Suil Park onde os suspeitos, que estavam embriagados, causavam distúrbios.

Os agressores - ele um motorista de 51 anos, já condenado por violência doméstica e condução sob o efeito do álcool, e ela uma empregada de restaurante de 46 anos, já detida por violência doméstica - ainda ameaçaram que pegariam fogo aos militares, dirigindo-lhes também ameaças de morte. Durante a detenção, o homem chegou a agredir a militar, que tem cerca de 30 anos, causando-lhe hematomas na zona do peito. O colega sofreu escoriações. Ambos foram assistidos no Hospital S. Sebastião, na Feira.

A patrulha da GNR tinha sido alertada, cerca das 2 horas, para uma situação de distúrbios causados por moradores nas zonas comuns de um prédio. Entretanto, o casal que provocava ruído, gritando e batendo com portas, conseguira entrar no apartamento de vizinhos, um outro casal, com cerca de 45 anos, que abriu a porta para se inteirar do que se passava. Além de agredirem estes moradores e ameaçarem que iriam incendiar o prédio, os suspeitos ainda ameaçaram o casal de morte, já na presença dos militares.

Presentes na manhã de quarta-feira ao Tribunal de Santa Maria da Feira, os agressores foram libertados, sem que o Ministério Público lhes tivesse aplicado quaisquer medidas de coação. O caso baixou a inquérito.