Premium

Cerca de 40 "no name boys" fugiram sem pagar e atacaram PSP

Cerca de 40 "no name boys" fugiram sem pagar e atacaram PSP

O Ministério Público (MP) acusou dois adeptos do Benfica, que integram a claque No Name Boys, por um crime de ofensa à integridade física qualificada e um crime de resistência e coação sobre funcionário. Um dos arguidos é contabilista, natural de Angola, tem 39 anos e reside em Alhos Vedros. O outro tem 28 anos, trabalha na restauração e mora em Paredes.

Segundo a acusação, a que o JN teve acesso, na noite de 11 para 12 de janeiro de 2019, após o jogo de futebol que opôs o Santa Clara ao Benfica, um grupo de cerca de 40 membros dos No Name Boys esteve numa discoteca em Ponta Delgada, São Miguel, a consumir bebidas alcoólicas, tendo, de modo organizado e planeado, forçado passagem entre os seguranças e saído sem pagar o consumo.

Golpe com garrafa