Portalegre

Comando da GNR condena agressões e elogia modelo de formação

Comando da GNR condena agressões e elogia modelo de formação

O comandante geral da GNR condena as agressões a cerca de dez recrutas do 40.º Curso de Formação de Guardas, em Portalegre, em aulas sobre o uso de bastão extensível", mas considera "adequado" o modelo de formação.

Numa informação interna a que o JN teve acesso, o tenente-general Luís Miguel refere que "(...)o trabalho desenvolvido pela sua [da GNR]estrutura de formação e treino deve ser orientada para as necessidades dos militares e em prol de uma Guarda humana, próxima e de confiança, capaz de prestar um serviço de qualidade aos cidadãos, não se revendo em comportamentos que não estejam alinhados com esta forma de estar".

Os formandos foram internados com ferimentos e fraturas resultantes de agressões por um instrutor. Há inquéritos internos e um criminal em curso.

O comandante diz ainda que a Guarda "tem mantido uma postura de total disponibilidade, no sentido de prestar a colaboração necessária às investigações de âmbito disciplinar e criminal que estão em curso".

Luís Miguel reconhece o "impacto negativo para a imagem da Guarda", mas acredita que, "para além do integral apuramento, pelas instâncias próprias, de todas as responsabilidades individuais (...) ressaltará que o atual modelo de formação da Guarda é adequado", nomeadamente "ao nível da definição dos patamares do uso da força".