PSP

Concluída nova sede da Divisão Policial de Cascais

Concluída nova sede da Divisão Policial de Cascais

Ao fim de 20 anos de avanços e recuos, de polémicas e confusões pelo meio, a nova Divisão Policial de Cascais da PSP vai ser, finalmente, inaugurada na próxima semana.

A inauguração do edifício, que ficou conhecido pelo Edifício Amarelo, na avenida Engº. Adelino Amaro da Costa, está prevista para a próxima terça-feira, à tarde, com a presença do ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita.

Nas novas instalações, ficarão instaladas a sede da divisão da PSP, a funcionar há 60 anos na rua Afonso Sanches, no centro histórico de Cascais, bem como a Esquadra de Investigação Criminal, provisoriamente instalada no Monte Estoril, e a Esquadra de Trânsito.

A conclusão do edifício da PSP de Cascais custou 1.731.485,41 euros, com IVA incluído, de acordo com o contrato celebrado entre o município e a construtora nortenha ABB, ao qual o jornal Cascais24 teve acesso, e que a 12 de julho de há dois anos foi visado pelo Tribunal de Contas.

O contrato celebrado a 5 de abril de 2018 entre o município e a construtora Alexandre Barbosa Borges SA, sediada em Marim, Barcelos, que venceu a adjudicação por concurso público, tinha um prazo de execução de 480 dias. Os mais de 1,7 milhões de euros que o município de Cascais investiu serão devolvidos nos próximos 50 anos pela PSP.

A construção da sede da PSP de Cascais foi uma das 17 grandes obras que o MAI adjudicou, entre 1996 e 1999, à Conegil, do Grupo HLC e do empresário Carlos Santos Silva, amigo do então primeiro-ministro José Sócrates, arguido no célebre Processo Marquês.

A obra foi abandonada em 2002, com a falência da empresa com dívidas de 20 milhões de euros, dos quais 1,6 milhões ao Ministério da Administração Interna. Os trabalhos foram posteriormente reintegrados por um outro empreiteiro, que também a abandonou sem a acabar, diz o Cascais24.