Tribunal

Condenado a 23 anos de prisão por matar taxista à facada

Condenado a 23 anos de prisão por matar taxista à facada

O indivíduo que matou um taxista à facada, em maio de 2017, na Damaia, foi condenado pelo Tribunal de Sintra a 23 anos de cadeia.

Para além da morte do motorista, o homem também foi condenado pela tentativa de homicídio de outro taxista, para além de roubos.

O coletivo de juízes deu como provado que o arguido "por três vezes em 2017, dirigiu-se a um estabelecimento comercial, sito na Amadora, e mediante uso de uma arma branca obrigou o ofendido a entregar-lhe bens e quantias monetárias" para além de em fevereiro e maio do mesmo ano "se ter deslocado de táxi, no momento em que estes se imobilizaram, desferiu várias facadas na zona do pescoço e tórax dos seus condutores, causando-lhes lesões traumáticas aptas a provocar a morte, o que num dos casos apenas não ocorreu por razões alheias à sua vontade", adiantou a Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa.

A vítima que não resistiu aos ferimentos era Gentil Gomes, 57 anos, casado e com dois filhos, era taxista há apenas seis meses. Foi a 20 de maio de madrugada quando tinha acabado de pegar ao serviço que aceitou levar o arguido até a Damaia. No momento em que o deixava na praceta Augusto Castilho (uma rua sem saída, a não ser por um túnel de acesso a um bairro de lata na Estrada Militar), o taxímetro marcava dez euros. Foi esfaqueado no peito e na barriga.