Máfias

Contrabando de tabaco com apreensão recorde

Contrabando de tabaco com apreensão recorde

As máfias internacionais têm apostado cada vez mais em Portugal como local de venda de tabaco ilegal, mas a GNR tem vindo a travar este tipo de contrabando que, desde 2015, lesou o Estado em cerca de 50 milhões de euros. As intensas investigações permitiram nos primeiros seis meses atingir valores de apreensões superiores à totalidade dos dois anos anteriores.

A elevada carga fiscal sobre o tabaco acabou por potenciar as vendas no mercado paralelo e as redes de contrabando têm apostado num negócio que pode render milhões de euros. Mas a Unidade de Ação Fiscal (UAF) da GNR está a redobrar esforços, apostando na investigação e cooperação policial para travar o tráfico.

Só no primeiro semestre do ano, a GNR apreendeu 13,7 milhões de euros de tabaco, enquanto no ano passado confiscou 1,6 milhões e, em 2017, tinham sido 11,6 milhões de euros. "Existe uma maior qualificação técnica da nossa estrutura de investigação criminal para combater os fenómenos de criminalidade tributária de grande complexidade e, por outro lado, uma maior eficácia dos mecanismos de cooperação policial internacional e das ferramentas de cooperação judiciária. Tudo isto repercutiu-se num incremento de eficácia na investigação e combate da criminalidade transnacional e organizada, contribuindo muito positivamente para os resultados operacionais alcançados", explicou, ao JN, fonte da GNR.

Ler mais na edição impressa ou e-paper