Investigação

Detido suspeito de ter assassinado militar nas Caldas da Rainha

Detido suspeito de ter assassinado militar nas Caldas da Rainha

Fiat Punto foi escondido numa zona pouco visível e terá sido avistado pela primeira vez por um pastor, no sábado.

A Polícia Judiciária deteve o suspeito de ter assassinado o militar Ricardo Porfírio, cujo corpo foi encontrado na noite da passada terça-feira, totalmente queimado e debaixo de um carro, nas Caldas da Rainha. Trata-se de um indivíduo de 31 anos, sem profissão conhecida, que terá agido por vingança depois do fim de uma relação amorosa.

O suspeito foi detido na madrugada desta quarta-feira e levado a Tribunal para ser sujeito a primeiro interrogatório judicial.

Tal como o JN já tinha avançado, o corpo carbonizado encontrado debaixo de uma viatura queimada em Vale do Coto, Caldas da Rainha, já se encontraria no local desde sábado. A informação foi confirmada ao JN pelo comandante dos Bombeiros de Caldas da Rainha, Nélson Cruz, com base no relato de um pastor, que percorre aquela zona diariamente com o rebanho.

Embora o caso esteja a ser investigado pela Polícia Judiciária de Lisboa, pela sua experiência, Nélson Cruz acredita que o veículo, da marca Fiat Punto, terá sido incendiado durante a noite, pelo que ninguém se terá apercebido. Adianta, por outro lado, que o facto de o carro se encontrar num local escondido, numa cota mais baixa em relação à estrada, terá contribuído para que passasse despercebido.

"Quase não passam carros ali durante a noite. Se tivesse sido durante o dia, já era mais difícil ninguém dar por nada", observa o comandante dos bombeiros. Já o presidente da União de Freguesias de Nossa Senhora do Pópulo, Coto e S. Gregório, Vítor Marques, considera normal que ninguém se tenha apercebido do veículo incendiado, porque a habitação mais próxima ficará a cerca de 100 metros de distância.

Nélson Cruz afirma ainda que o incêndio da viatura não se propagou, porque se encontrava num local descampado, pelo que se queimou apenas um silvado. Vítor Marques confirma que a área queimada se limitava à zona onde o carro estava estacionado e que a chuva que se tem feito sentir nos últimos dias terá impedido a eventual propagação das chamas.