Crime

Detido no Algarve mais um membro do grupo "Hells Angels"

Detido no Algarve mais um membro do grupo "Hells Angels"

Um cidadão belga associado à organização "Hells Angels Motorcycle", que tinha um mandado de detenção, foi detido pela PJ no Algarve, por factos cometidos em Portugal.

A Procuradoria-Geral da República (PGR) informa, em comunicado, que o homem detido na segunda-feira foi ouvido esta terça-feira em primeiro interrogatório judicial, tendo o juiz decretado a sua prisão preventiva.

"Em causa estão factos suscetíveis de integrar a prática dos crimes de associação criminosa, homicídio qualificado, na forma tentada, roubo, ofensas à integridade física graves, ofensas à integridade física qualificadas e detenção de armas proibidas", explica a PGR.

O processo tem agora 89 arguidos constituídos, encontrando-se 43 sujeitos a medidas de privação da liberdade.

Segundo fonte judicial, têm decorrido nos últimos dias e continuam a ser realizados interrogatórios complementares aos arguidos, mas nenhum está a responder às perguntas do Ministério Público.

O inquérito, que se encontra em segredo de justiça, corre termos no Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) e o Ministério Público é coadjuvado pela Unidade Nacional Contra Terrorismo da Polícia Judiciária.

Em março do ano passado, cerca de 20 "motards" do grupo "Hells Angels" invadiram um restaurante no Prior Velho, concelho de Loures, distrito de Lisboa, para atacar o grupo Red&Gold, criado pelo radical de extrema-direita Mário Machado. Os dois grupos rivais entraram em confrontos dentro do estabelecimento comercial, com facas, paus, barras de ferro e outros objetos.

Este episódio de violência levou a PJ a deter os primeiros 58 elementos do grupo de motociclistas Hells Angels em Portugal (a que se somou um outro na Alemanha).

Os suspeitos estão indiciados, na sua generalidade, da prática de associação criminosa, homicídio qualificado na forma tentada, roubo, ofensas à integridade física graves, ofensas à integridade física qualificada, detenção de armas proibidas e tráfico de droga.

Em janeiro, o Tribunal de Instrução Criminal (TIC) de Lisboa declarou a especial complexidade do processo para poder ter mais seis meses (até 18 de julho) para deduzir a acusação, dilatando assim o prazo da prisão preventiva.

O grupo "Hells Angels" existe em Portugal desde 2002 e, desde então, tem sido monitorizado pela polícia.