Segurança

Estudantes pedem policiamento para travar assaltos no polo da Asprela no Porto

Estudantes pedem policiamento para travar assaltos no polo da Asprela no Porto

Os estudantes do polo universitário da Asprela, no Porto, denunciaram, na terça-feira, na reunião do executivo, a existência de uma nova vaga de assaltos e pediram um policiamento permanente para travar o clima de insegurança.

Na reunião da Câmara do Porto, no período destinado ao público, Henrique Coelho explicou que "a comunidade estudantil está preocupada com esta nova vaga de assaltos", o que têm levado muitos estudantes a alterar os seus hábitos.

Para o estudante, esta é uma questão que só pode ser resolvida com uma maior presença policial no local, de forma permanente.

O presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, lembrou que já tinha havido outra vaga de assaltos semelhante naquele local, que acabou por ser resolvida com a intervenção da PSP que deteve os assaltantes.

Para o autarca, a construção do Parque Central da Asprela, atualmente uma zona semi-abandonada junto à Faculdade de Desporto, vai melhorar este problema de insegurança, contudo, há um problema de fundo no que toca à vigilância.

"Gostávamos de ter instrumentos de videovigilância na cidade. Continuamos a não compreender, mas, não havendo, tem de haver reforço do policiamento", afirmou, sublinhando que "essas pessoas [Comissão Nacional de Proteção de Dados] estão à espera que haja um ato grave ou um atentado para agir".

Não sendo esta matéria da competência da autarquia, Rui Moreira sublinha, no entanto, que o município "entregou carros" à PSP, no sentido de reforçar o policiamento de proximidade que "é indispensável para resolver o problema".

O autarca acolheu ainda a proposta do vereador do PS Manuel Pizarro que sugeriu que o tema fosse debatido no próximo Conselho Municipal de Segurança.

Questionada pela Lusa, a PSP revelou que foram já detidos em flagrante dois jovens, de 22 e 24 anos.