Polícias

Europol diz que casos de corrupção em chefias são exceção

Europol diz que casos de corrupção em chefias são exceção

O diretor da Europol disse, em Bruxelas, ser pouco habitual encontrar corrupção a nível das chefias das polícias, numa referência à detenção de dois agentes da Polícia Judiciária.

Na conferência de imprensa sobre o relatório anual de mercado de droga na União Europeia, Rob Wainwright foi questionado sobre a detenção de 15 homens, incluindo dois elementos da PJ, por suspeitas de corrupção ativa e passiva, tráfico de droga agravado, associação criminosa e branqueamento de capitais.

"Não vemos corrupção a níveis muito altos, por isso será uma situação excecional, mas não temos conhecimento [dessa investigação]", comentou o responsável, que espera a partilha em breve de informação por parte de Portugal sobre este caso.

Rob Wainwright acrescentou que a "corrupção continua a ser um fator que facilita a atividade dos grupos criminosos em muitas áreas, como o mercado de drogas ilícitas".

Os 15 detidos têm idades entre 39 e 60 anos e na lista está um coordenador reformado da PJ e um inspetor da Unidade Nacional de Combate ao Tráfico de Estupefacientes (UNCTE).

Em comunicado, a PJ explicou que foram efetuadas 120 buscas, domiciliárias e não domiciliárias, com a participação de quase duas centenas e meia de polícias.

A investigação, que continua para recolha de mais prova, está a ser dirigida pelo Departamento Central de Investigação e Ação Penal, em colaboração com a Unidade Nacional de Combate à Corrupção (UNCC) e com a UNCTE da PJ.

Imobusiness