Ovar

Ex-funcionária de ATL julgada por usar menores para roubar em casa

Ex-funcionária de ATL julgada por usar menores para roubar em casa

O Tribunal de Aveiro começou, esta quarta-feira, a julgar uma ex-funcionária de um ATL suspeita de ter convencido menores que frequentavam o estabelecimento a retirar das residências dos pais e outros familiares dinheiro e peças em ouro para lhe entregarem.

A arguida, que faltou à audiência de julgamento, está acusada de nove crimes de furto, cinco dos quais na forma qualificada.

A primeira sessão ficou marcada pelo depoimento de uma das menores que disse que se sentiu "usada" pela arguida, que considerava ser sua amiga. "Ela inventou uma história sobre um ex-namorado meu. Disse que tinha uma dívida muito grande relacionada com droga e precisava da minha ajuda. Ela não queria dinheiro. Queria ouro. Disse-me para tirar coisas de valor, porque o rapaz necessitava de dinheiro", contou a rapariga, atualmente com 16 anos.

Questionada pela procuradora da República, a menor admitiu ter retirado peças de ouro da casa dos pais e também de duas tias, entregando-as depois à arguida. "Sabia que estava a fazer mal, mas ela insistia para continuar a tirar coisas, porque senão quem sofria era o meu ex-namorado", disse a menor, adiantando que o caso acabou por ser descoberto quando uma amiga "começou a desconfiar do que se estava a passar e falou com uma professora".

Segundo a acusação do Ministério Público (MP), os factos ocorreram entre 2015 e 2016.

Durante este período, a arguida, de 38 anos, decidiu abordar alguns menores que frequentavam o ATL em Esmoriz, Ovar, onde a mesma trabalhava, fingindo-se interessada nos seus assuntos e problemas para conquistar a sua confiança e amizade.

Posteriormente, fazendo uso do conhecimento que angariou relativamente a cada menor e da ingenuidade própria da idade, a arguida convenceu-os a retirar da residência dos pais e outros familiares dinheiro e objetos em ouro que depois lhe entregariam.

O MP diz ainda que a arguida serviu-se do fácil acesso que tinha às mochilas dos menores, enquanto os mesmos se encontravam no ATL, retirando delas as chaves das portas de entrada de cada uma das suas casas e fez cópias que guardou consigo e que usou mais tarde para assaltar as residências.

De acordo com a investigação, a arguida conseguiu através deste método apropriar-se de mais de uma centena de peças em ouro (cordões, pulseiras, anéis, brincos e outros) no valor global de cerca de 18 mil euros e de pouco mais de sete mil euros em dinheiro.

ver mais vídeos