Paços de Ferreira

Ex-paraquedista detido por espancar e deixar irmã na rua

Ex-paraquedista detido por espancar e deixar irmã na rua

Uma mulher de 58 anos foi agredida violentamente por um irmão, na própria casa e, já sem capacidade para reagir, arrastada pelos cabelos até à rua, onde foi pontapeada na cabeça e abandonada.

Devido às graves lesões sofridas, está internada no Hospital Padre Américo, em Penafiel, desde a noite de Ano Novo. Já o irmão que a agrediu, de 50 anos, foi detido, interrogado pelo juiz, indiciado pelo crime de violência doméstica e obrigado a usar uma pulseira eletrónica que o impede de contactar a vítima.

Os irmãos, ambos sem profissão e dependentes do álcool, viviam na mesma casa, situada no concelho de Paços de Ferreira. O local, sem luz elétrica e com rudimentares condições de habitabilidade, foi palco, durante anos, de constantes episódios de violência, dos quais a família e os vizinhos dos irmãos tinham conhecimento. Mas nada foi feito.

Também por isso, na noite de 31 de dezembro, o antigo paraquedista do Exército voltou a agredir a irmã. Deu-lhe diversos murros na cara, ao ponto de a deixar praticamente inconsciente. De seguida, agarrou-a pelos cabelos e arrastou-a até à rua, onde a pontapeou no corpo e ainda na cabeça.

Como se nada tivesse acontecido, regressou ao interior da habitação, deixando a familiar prostrada no chão, em estado muito grave.

Hospital denunciou caso

Fonte ligada à Proteção Civil refere ao JN que a vítima começou por ser assistida pelos habitantes da rua e pelos bombeiros. Foi depois transportada para o hospital, onde continua internada devido aos cortes e ferimentos causados pela agressão.

Os serviços do próprio hospital, sabe o JN, denunciaram o caso ao Ministério Público que, de imediato, colocou o Núcleo de Investigação e Apoio a Vítimas Específicas da GNR de Penafiel no encalço do ex-paraquedista. Este viria a ser detido e sujeito a primeiro interrogatório judicial, no final do qual foi colocado em liberdade. No entanto, o agressor - que não tem antecedentes criminais - está impedido de contactar a irmã, com quem partilhou a casa durante anos.

Pulseira eletrónica

A ordem judicial impõe que o ex-paraquedista use pulseira eletrónica. Porém, a bateria terá de ser carregada numa casa sem eletricidade.