Tentativa assalto

Explosão de multibanco em junta de Vila do Conde causa 40 mil euros de danos

Explosão de multibanco em junta de Vila do Conde causa 40 mil euros de danos

O presidente da junta da união de freguesias de Vilar/Mosteiró, em Vila do Conde, avaliou em 40 mil euros os estragos no edifício municipal causados pela explosão de quinta-feira, durante uma tentativa de assalto à caixa multibanco no local.

"Pavimentos, caixilharias, parte elétrica e mobiliários ficaram muito danificados e estamos ainda averiguar se o sistema de ar condicionado e televisão também foi afetado. Numa primeira estimativa, apontamos para 40 mil euros de prejuízos", completou o autarca de Vilar/Mosteiró.

Amândio Couteiro afirmou que a junta de freguesia tem um seguro que deverá cobrir parte da despesa, mas acredita que terá, também, de afetar verbas do orçamento da autarquia para ajudar na reconstrução.

"Vai ser um grande esforço para nós, porque somos uma junta de freguesia pequena, com recursos limitados. Esperamos que a Câmara Municipal também nos possa dar uma ajuda na reconstrução", desabafou.

O incidente aconteceu na madrugada de quinta-feira, com recurso e injeção de gás no terminal, que causou uma explosão que destruiu "cerca de 50% da área de atendimento ao público, gabinetes de apoio, secretária, e uma parte do salão nobre", partilhou à Lusa Amândio Couteiro, presidente da junta.

Já em 2014 a caixa multibanco instalada no local foi alvo de um assalto, também com recurso a explosão, mas os danos no edifício não foram, na altura, tão extensos como nesta tentativa.

"Foi desolador chegarmos ao local e vermos tanta destruição. Ainda estamos a recuperar do choque", confessou Amândio Couteiro.

Para evitar uma situação semelhante, o responsável desta junta de freguesia do concelho Vila do Conde garantiu que irá retirar a caixa multibanco do edifício da autarquia e colocá-lo num local contíguo.

"É um equipamento que faz falta, pois serve uma população de mais de cinco mil pessoas. Está num local de passagem e tem muito procura. O que vamos agora fazer é deslocá-lo para uma estrutura, fora do edifício da junta, que vamos construir de raiz, mas vai levar algum tempo", concluiu o presidente da Junta.