Aveiro

Julgamento de Manuel Godinho anulado

Julgamento de Manuel Godinho anulado

O principal arguido do Face Oculta, Manuel Godinho, devia ter começado a ser julgado, esta quarta-feira de manhã, num novo processo em que respondia por fraude fiscal, no Tribunal de Aveiro, mas o julgamento foi anulado.

Em causa esteve o facto de o advogado da sociedade O2 - que era propriedade do ex-sucateiro de Ovar e que também é arguida no mesmo processo - não ter sido notificado para o debate instrutório, que aconteceu antes de o caso ter seguido para julgamento.

Após a decisão de anular o início do julgamento, o coletivo de juízes do Tribunal de Aveiro remeteu o processo, de novo, para o juiz de instrução criminal, no Departamento de Investigação e Ação Penal.

Manuel Godinho não compareceu em tribunal para aquela que seria a primeira sessão do julgamento, alegando estar doente. Tal como o seu filho, João Godinho, também arguido no mesmo caso. O processo está relacionado com uma alegada fraude, que terá lesado o Estado em 330 mil euros, através de um esquema de faturas falsas de transportes de areias e de sucatas.