Setúbal

Mãe e filho vendiam petardos a claques pela internet

Mãe e filho vendiam petardos a claques pela internet

Família dedicava-se ao tráfico de explosivos há dois anos. Compra e venda de artigos pirotécnicos era feita por sites e redes sociais.

Ao longo de, pelo menos, dois anos, mãe e filho, de 40 e 67 anos respetivamente, dedicaram-se à compra e venda de tochas de fumo, petardos, very lights e outros artigos pirotécnicos através da internet. Para concretizar o negócio, que tinha como principais clientes elementos de claques de clubes desportivos, a família criava perfis falsos nas redes sociais, mas mesmo assim foram apanhados pela PSP.

Numa operação realizada nesta terça-feira, os polícias do Departamento de Armas e Explosivos apreenderam 3833 artefactos pirotécnicos e seis munições de arma de fogo. Os familiares ficaram em liberdade, mas foram constituídos arguidos num processo que ainda tem investigações em curso.

Tráfico de explosivos nas horas livres

O esquema era simples. A partir de um computador localizado numa casa de Setúbal, a família encomendava os artigos pirotécnicos através de sites internacionais. A maioria estava alojada na China, mas também recorreram a espaços virtuais europeus que, entretanto, foram encerrados.

Já na posse dos petardos, very lights e tochas de fumo, os dois, que mantinham outras profissões e dedicavam-se ao tráfico de explosivos nas horas vagas, geriam perfis de Facebook, através dos quais anunciavam a venda dos produtos. Era também pela internet que eram contactados pelos compradores e que formalizavam o negócio.

A entrega dos explosivos era feita pessoalmente, quando os clientes vivam nas redondezas de Setúbal, ou através de transportadoras. O mesmo acontecia com o pagamento: feito em mão quando os clientes recebiam pessoalmente o produto ou realizado através de transferência bancária sempre que a pirotecnia era enviada para a morada fornecida.

A Divisão de Investigação e Fiscalização, do Departamento de Armas e Explosivos da PSP detetou o crime há cerca de dois anos e, desde então, manteve a família sob vigilância. No início desta semana, os agentes avançaram com quatro buscas e encontraram quase quatro mil artigos de pirotecnia prontos a serem vendidos, colocando um ponto final no tráfico de explosivos que estava a acontecer.

"A PSP continuará o esforço permanente de pesquisa, prevenção e combate ao comércio ilícito online de produtos explosivos, bem como relativamente à posse e utilização de artigos de pirotecnia sem controlo ou supervisão, evitando a sua má aplicação e ocorrência de acidentes", garante a Direção Nacional da Polícia.