Detenção

"Marechal" do tráfico de armas mundial tinha vida pacata no Alentejo

"Marechal" do tráfico de armas mundial tinha vida pacata no Alentejo

Jacques Monsieur estava fugido à justiça belga e foi preso pela PJ. Paixão pela criação de cavalos puro-sangue lusitano denunciou localização.

Uma pequena distração, relacionada com a sua paixão pelos cavalos, sobretudo os da raça puro-sangue lusitano, denunciou a localização de um dos maiores traficantes de armas do Mundo, o belga Jacques Monsieur, que estava evadido do seu país depois de ter sido condenado a quatro anos de prisão efetiva. Um transporte de animais, desde uma quinta que possuía em França, levaria a Polícia Judiciária (PJ) até à herdade onde vivia agora, em Santiago do Escoural, perto de Montemor-o-Novo. Está em prisão preventiva desde ontem e vai ser entregue às autoridades belgas.

Em Portugal, Jacques Monsieur, de 66 anos, nunca se escondeu. Era estimado pelos vizinhos e, nas suas idas a Escoural, tornou-se conhecido nos cafés. Um cavalo seu, o "Hippus", até chegou a ganhar um prémio num concurso, em 2015, na feira da Golegã. Mas esta faceta tranquila está longe de corresponder ao ofício a que dedicou grande parte da sua vida, desde o início dos anos 80, e que lhe valeram as alcunhas de "Raposa" ou "Marechal": o tráfico de armas em larga escala em praticamente todos os conflitos armados da história mundial recente.

Leia mais na edição impressa ou versão epaper.