Guimarães

Libertada mulher que confessou matar o marido por violência doméstica

Libertada mulher que confessou matar o marido por violência doméstica

A mulher que confessou ter morto o marido com um tiro no pescoço, na sequência de um caso continuado de violência doméstica, em Vila Verde, saiu em liberdade, ao princípio da noite desta sexta-feira, do Palácio da Justiça de Guimarães, com a obrigação de fazer apresentações diárias na PSP de Braga.

Maria Júlia Ferreira ficou proibida de contactar todos os outros intervenientes no processo em que é arguida, à exceção dos seus filhos, não podendo ausentar-se de Portugal e todos os dias tem de deslocar-se ao Comando Distrital da PSP de Braga, para registar as suas apresentações.

A decisão coube ao juiz de instrução criminal de Guimarães, Pedro Miguel Vieira, que já na quinta-feira dirigiu no terreno as buscas relacionadas com o homicídio do empresário António Ferraz, de 52 anos, abatido a tiro em 26 de outubro de 2017, na localidade de Seixosa, em Moure, Vila Verde, onde residia, sendo depois abandonado o seu cadáver, dentro da própria carrinha, em Palmeira, nos arredores a norte da cidade de Braga.

Para já há um outro suspeito, José Miguel Costa, de 21 anos, o filho da vítima e da arguida, que há uma semana partiu para França, onde se encontra emigrado, sendo que durante a sua confissão, Maria Júlia Ferreira procurou ilibar o filho, negando à PJ de Braga que o jovem tivesse algum envolvimento no homicídio do pai ou na ocultação do cadáver.

ver mais vídeos