Porto

Novo comandante da GNR do Porto aposta na prevenção dos fogos florestais

Novo comandante da GNR do Porto aposta na prevenção dos fogos florestais

Coronel Ruas Moreira tem 52 anos e uma vasta experiência. Cerimónia de tomada de posse contou com a presença do comandante-geral da GNR, tenente-general Luís Botelho Miguel, que alertou para perigos do turismo

O coronel Ruas Moreira tomou posse, nesta quinta-feira, como comandante territorial do Porto da GNR. Aos 52 anos, Silvério Edgar Ruas Moreira volta a um Comando no qual já tinha desempenhado várias funções.

Ao assumir as novas funções, o coronel frisou que a sua opção passará por seguir "as grandes linhas estratégicas da Guarda". No final da cerimónia, o novo comandante da GNR do Porto explicou que o esforço passa por "reforçar a segurança das pessoas e bens, através de uma presença visível e de um atendimento de qualidade ao cidadão". Por outro lado, acrescentou, a GNR vai "apostar numa visibilidade cada vez maior nas florestas e no património florestal", assim como manter, "no âmbito dos programas especiais, o apoio aos idosos, aos alunos e às pessoas discriminadas".

Aos jornalistas, o coronel Ruas Moreira desvalorizou a falta de recursos, humanos e materiais, que afetam a Guarda. "Um comandante tem de trabalhar com os meios que tem ao seu dispor. Mais importante que ter mais meios é potencializar os que se tem", defendeu.

Os índices de criminalidade registados na área de intervenção da GNR foram, igualmente, considerados "normais" e num número que "não suscita preocupações de maior". "É preciso estar atento, mas nesta primeira avaliação não há nada que possa preocupar", resumiu.

Oficial experiente

Natural de Parada de Cunhos, Vila Real, Silvério Edgar Ruas Moreira já foi comandante da Secção de Investigação Criminal da GNR de Matosinhos e oficial de Informações e Relações Públicas, função que acumulou, à data, com a de oficial coordenador para a Investigação Criminal do distrito do Porto.

Ruas Moreira liderou, ainda, o Comando Territorial de Vila Real e representou a GNR, como formador numa equipa mista de polícias portuguesas na área operacional de investigação criminal, em missões realizadas em Moçambique e Angola antes de ser diretor de operações.

Comandante-geral da GNR alerta para desafios do turismo

A tomada de posse do comandante territorial do Porto contou com a presença do comandante-geral da GNR, tenente-general Luís Botelho Miguel, que alertou para o facto de o Porto ser "uma região do país, cada vez mais, reconhecida como um destino de excelência para o turismo nacional e internacional". Uma realidade que obriga os militares a concentrarem-se "nas dinâmicas sociais, nos fluxos de pessoas e atividades criminais diversificadas, complexas e de grande mobilidade, que podem potenciar, por vezes, a ocorrência de episódios de delinquência e de criminalidade, que se estendem transversalmente dos centros urbanos às zonas rurais limítrofes".

Para combater os perigos causados pelo aumento de turistas, a GNR dispõe, salientou o comandante-geral, de Sistemas de Informação e Gestão de Apoio às Operações (SIGAO), que "permitem saber, a todo o momento, o que está a acontecer e empenhar os recursos disponíveis de modo otimizado". "Hoje, através de uma utilização intensiva dos SIGAO, começa a ser possível predizer o que é presumível que venha a acontecer, permitindo, assim, e com um elevado grau de eficiência, direcionar patrulhas e direcionar recursos", frisou ainda o tenente-general Luís Botelho Miguel.