Rede desmantelada

PJ e Guardia Civil apreendem 475 quilos de cocaína

PJ e Guardia Civil apreendem 475 quilos de cocaína

Traziam droga da América do Sul até à Galiza por via marítima e depois distribuíam produto pela Península Ibérica em veículos com fundo falso. Foram detidas 14 pessoas em Portugal e Espanha.

A operação, que se iniciou em 2018, permitiu apreender 475 quilos de cocaína que se destinavam aos mercados português e espanhol. Na zona de Coimbra, a Polícia Judiciária do Porto e a GNR apreenderam 175 quilos e detiveram uma pessoa.

Houve 11 detenções em Pontevedra, duas em Valência e uma em Portugal. Além da quase meia tonelada de cocaína, foram também apreendidos 12 telemóveis satélite, 12 mil euros em dinheiro, quatro veículos com fundos falsos e um atrelado com um ardiloso sistema hidráulico de ocultação que permita o transporte de até 300 quilos de droga.

No decurso das nove buscas realizadas foi ainda possível descobrir uma estufa interior que albergava mil plantas de canábis.

Segundo a Guardia Civil, a investigação iniciou-se no ano passado em Pontevedra. Em julho, as autoridades espanholas desmantelaram a entrega de mais de 300 quilos de cocaína que tinham sido levados da Galiza até Valência e estavam numa garagem em Quart de Poblet à guarda de dois indivíduos que foram detidos.

Os avanços da investigação permitiram intercetar em Portugal uma outra entrega de 175 quilos que também tinha vindo de Pontevedra. A operação, avança a Guardia Civil, decorreu nas imediações de Coimbra e a pessoa que transportava a droga foi detida pela PJ e pela GNR.

Investiam em tecnologia para não serem detetados

As autoridades espanholas frisam que a rede operava com um alto grau de sofisticação para evitar ser detetada e investia muito dinheiro em tecnologia para comunicar de modo seguro e detetar eventuais escutas. Também o transporte era ardiloso. O grupo possuía um atrelado com um avançado sistema hidráulico que permitia ocultar um fundo falso com capacidade para mais de 300 quilos de estupefacientes. Além disso, utilizavam veículos batedores para ver se o caminho estava livre.

A Guardia Civil adianta que, no momento da sua detenção, o grupo estava a preparar-se para receber mais uma importante quantidade de cocaína oriunda da América do Sul.