Movimento Zero

Polícias protestam em Braga

Polícias protestam em Braga

Dezenas de polícias estão concentrados em frente ao Hospital de Braga, onde está internado o comissário da PSP que, nesta semana, tentou o suicídio com a arma de serviço, no interior do gabinete que ocupa na esquadra bracarense.

A iniciativa foi promovida pelo autodenominado "Movimento Zero", com o intuito de alertar para a falta de condições de trabalho na Polícia que, desde o início do ano, já levou, garantem, três agentes a suicidarem-se.

"É lamentável o contínuo silêncio da parte de quem nos tutela, sobre o flagelo das tentativas de suicídio nas forças de segurança que, infelizmente, muitas vezes acabam em morte", refere o movimento no apelo que lançou nas redes sociais. No mesmo documento, o "Movimento Zero" garante, contrariamente ao que garantiu a Direção Nacional da PSP, que "não, não está tudo bem" nas forças de segurança. "Como é alguém capaz de vir a público e afirmar que está tudo bem?", perguntam os contestatários.

Recorde-se que elementos afetos ao "Movimento Zero", que integra agentes da PSP e também militares da GNR, já se manifestaram durante as celebrações do 152.º aniversário da PSP. Na ocasião, vestidos com camisolas brancas, os polícias viraram as costas para a tribuna quando o diretor nacional da PSP, Luís Farinha, começou a discursar e abandonaram o local quando o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, subiu ao púlpito.

Dezenas de polícias estão concentrados em frente ao Hospital de Braga, onde está internado o comissário da PSP que, nesta semana, tentou o suicídio com a arma de serviço, no interior do gabinete que ocupa na esquadra bracarense.