Premium

Presos em cadeia especial exibem-se no Facebook

Presos em cadeia especial exibem-se no Facebook

Jovens reclusos da chamada "prisão-escola" de Leiria têm acesso a telemóveis com Internet. Guardas prisionais criam identidades falsas de mulheres nas redes sociais para vigiar quem acede à Internet.

Têm entre 16 e 21 anos e estão presos numa cadeia especial para jovens em Leiria. Mas, apesar da classificação de segurança alta, com grau de complexidade elevada deste estabelecimento prisional (EP), há reclusos que mantêm ativas páginas de Facebook, na Internet, onde desafiam as autoridades, colocando fotografias de grupo tiradas com telemóveis e exibindo o que aparenta serem cigarros com droga. Para apanhar os infratores, os guardas prisionais criam perfis com falsas identidades.

Tal como aconteceu noutras cadeias, a introdução de telemóveis com acesso à Internet é uma realidade na chamada "prisão-escola" de Leiria, criada para que reclusos com menos de 21 anos possam "obter um tratamento diferenciado, privilegiando uma ação educativa intensa e afastada dos delinquentes mais velhos", segundo informação do Ministério da Justiça.