"Operação Fórmula 1"

PSP apanha grupo que roubou centenas de carros e jantes na Grande Lisboa

PSP apanha grupo que roubou centenas de carros e jantes na Grande Lisboa

Seis pessoas suspeitas de, nos últimos seis meses, terem furtado centenas de carros topo de gama e outras peças de automóvel na Grande Lisboa foram, esta terça-feira, detidas pela PSP, anunciou esta quinta-feira a instituição.

Inicialmente, o grupo terá centrado a sua atuação no roubo das jantes e outras componentes, como volantes, de veículos estacionados na via pública, mas, posteriormente, ter-se-á também dedicado ao furto de carros. Os veículos seriam depois desmantelados e as peças vendidas online, esclareceu, esta quinta-feira, em conferência de imprensa, o Comando Metropolitano de Lisboa (Cometlis) da PSP.

De acordo com o coordenador da "Operação Fórmula 1", Daniel Costa, foram detidos quatro homens - entre os quais o cabecilha do grupo - e duas mulheres, com idades entre os 25 e os 35 anos. Uma delas terá sido a responsável pela criação de uma empresa de fachada destinada à alienação das peças. As autoridades desconfiam ainda que uma parte dos carros poderia, no futuro, reentrar com matrículas falsas no mercado nacional.

Neste momento, está ainda por apurar o montante que os suspeitos terão arrecadado com o esquema. Esta terça-feira, foram apreendidos 25 carros, 63 jantes, 54 bancos de viaturas, 48 centralinas, 38 chapas de matrículas referentes a veículos furtados, 33 volantes, 23 motores e cinco chassis. As buscas decorreram no concelhos da Amadora, Sintra, Loures e Mafra. No total, terão sido lesados centenas de condutores.

"É um crime que, efetivamente, afeta muito a vida das pessoas", sublinhou, esta quinta-feira, Catarina Franco, comandante da Divisão de Investigação Criminal do Cometlis. A investigação irá agora continuar.

Esta quinta-feira, o Tribunal de Sintra determinou que dois dos seis detidos - todos de nacionalidade portuguesa - irão aguardar o desenrolar o processo em prisão preventiva. Um outro ficou sujeito a apresentações diárias às autoridades e os restantes prestaram apenas termo de identidade e residência. Estão indiciados, na generalidade, por associação criminosa, furto de veículo, furto em veículo e recetação.

A PSP aconselha todos os condutores a, dentro do possível, não estacionarem os seus automóveis longe de zonas residenciais e a verificarem, após utilizarem o comando automático, se o carro ficou efetivamente trancado. Daniel Costa ressalva, ainda assim, que, neste caso em concreto, os furtos aconteceram não por descuido dos proprietários dos veículos mas devido à elevada "capacidade técnica" dos presumíveis ladrões.