Segurança

PSP na Liga das Nações indignados por pagar cinco euros para dormir

PSP na Liga das Nações indignados por pagar cinco euros para dormir

Dezenas de polícias de Lisboa, destacados para a segurança das meias-finais da Liga das Nações, esta noite em Guimarães, estão descontentes com o facto de terem de pagar cinco euros para dormir em camaratas da PSP.

De acordo com informações recolhidas pelo JN, são cerca de 260 elementos do Corpo de Intervenção e de Equipas de Intervenção Rápidas, baseadas em Lisboa que foram mobilizados para assegurar o reforço do policiamento na partida Inglaterra - Holanda. As autoridades preveem a possibilidade de haver distúrbios, como aqueles que aconteceram entre adeptos ingleses, ontem à noite, na Avenida dos Aliados, no Porto, obrigando a uma intervenção mais musculada da PSP.

"Para além de ficarem sem folgas a que tinha direito, os policias têm agora que pagar para trabalhar. Independentemente das guias de marcha e ajudas de custos, os polícias têm de adiantar cinco euros para poder trabalhar. Ou seja, ficam sem folgas e ainda têm de adiantar dinheiro para alojamento. É inadmissível", disse ao JN Peixoto Rodrigues, do Sindicato Unificado da PSP.

Também o vice-presidente da Organização Sindical de Polícia, Jorge Rufino, lamentou a medida: "Além das horas excessivas, corte de folgas e limitações de férias, querem agora que os elementos paguem cinco ou sete euros para pagar a pernoita das camaratas. Os elementos estão revoltados".

Contactada pelo JN, fonte oficial da Direção Nacional da PSP explicou que os elementos estão a receber "ajudas de custo a 100%" e que "este custo de 5 euros esta instituído em todas as camaratas policiais e servem para assegurar os custos de manutenção". A mesma fonte também adiantou que "a alternativa seria receberem 50% de ajudas custo e não pagarem os 5 euros, que seria bastante mais prejudicial para os policias".