Crimes de Aguiar da Beira

Sem rasto de Pedro Dias há três dias

Sem rasto de Pedro Dias há três dias

O homicida de Aguiar da Beira está em fuga há 11 dias e não deixa pistas ou indícios da sua passagem desde a última terça-feira.

O patrulhamento da Guarda Nacional Republicana (GNR) é cada vez menos visível no terreno, mas a Polícia Judiciária (PJ) continua no encalço do homem num perímetro entre Vila Real e Sabrosa.

Pedro Dias, de 44 anos, foi avistado pela última vez há três dias na localidade de Assento, a cinco quilómetros de Carro Queimado, aldeia onde foi encontrada a viatura que usou para fugir de Arouca para a zona de Vila Real, no domingo.

Os locais-chaves na caça ao homem em Vila Real:

A testemunha que alertou as autoridades não se quis identificar, mas adiantou ao JN que viu o fugitivo na terça-feira de manhã junto a um armazém agrícola, perto de uma zona de mato cerrado. Estaria "vestido com um casaco vermelho" e "saltou um monte de telhas" antes de fugir para o pinhal. Outras testemunhas viram "muitos" elementos das autoridades a correr para o local e garantem que se ouviu um tiro.

Antes disso, "Piloto", como é conhecido, cruzou-se com uma patrulha da GNR na zona industrial de Vila Real, perto de Constantim, mas os militares perderam-lhe o rasto quando o fugitivo se meteu numa rua estreita na aldeia.

Há também indícios de que poderá ter roubado "dois cobertores, um casaco e dois gorros" do estendal de uma casa isolada e sem vizinhança próxima na aldeia de Tojais, também em Vila Real. Os donos da casa comentaram a situação com amigos que alertaram depois as autoridades. A PJ esteve na habitação a recolher indícios na quarta-feira à tarde.

A GNR também tem feito patrulhas diárias numa quinta em Paços, Sabrosa, uma vez que os proprietários são conhecidos do homicida. Estes já garantiram ao JN que nunca entraram em contacto com eles. Pedro Dias costumava também frequentar um restaurante de São Martinho de Anta, Sabrosa, com um grupo de caçadores. Há suspeitas de que possa estar a receber ajuda.

Pedro Dias, o homem suspeito de matar um militar e um civil, em Aguiar da Beira, distrito da Guarda, além de ter causado ferimentos a outras duas pessoas, uma delas também militar da GNR, tem sido procurado pela GNR e pela PJ desde o dia 11, data dos primeiros acontecimentos.