O Jogo ao Vivo

Justiça

Sócrates volta a exigir nomes das contas na Suíça

Sócrates volta a exigir nomes das contas na Suíça

José Sócrates criticou duramente o procurador Rosário Teixeira, quando foi interrogado em 27 de maio, antes de ele lhe conceder a prisão domiciliária com pulseira eletrónica (que rejeitou), por ainda não ter deduzido acusação.

"Em qualquer país decente do Mundo, o procurador diria, olhe, é isto que temos contra si, vamos acusá-lo num prazo razoável. Seis meses, senhor procurador, não é altura de metermos um pouco a mão na consciência", disse o ex-primeiro-ministro, reclamando conhecer os factos de que é acusado. Ao que o procurador terá ripostado: "Está no direito de dizer".

Esta crítica, plasmada na edição desta quarta-feira da revista "Sábado", que descreve o interrogatório do passado dia 27, no Departamento Central de Investigação e Ação Penal, foi feita depois de Sócrates ter pedido a palavra para iniciar o encontro: "O que tenho a dizer é muito desagradável (...) estas imputações são falsas, todas elas. Não há neste documento um pingo de verdade".

Ler mais na versão e-paper ou na edição impressa