cadeias

Um dos reclusos intoxicados está em estado crítico

Um dos reclusos intoxicados está em estado crítico

Um dos seis reclusos de Castelo Branco internados no Hospital Amato Lusitano, naquela cidade, mantém-se em estado crítico e não estão previstas altas hospitalares para os outros cinco

"Continuam seis [reclusos] internados e não estão previstas altas [hospitalares], sendo que um mantém-se em estado crítico", disse o presidente da Unidade Local de Saúde (ULS), Vieira Pires, à agência Lusa.

Em comunicado divulgado na terça-feira, a ULS de Castelo Branco informava que um dos reclusos internados encontrava-se "em estado muito crítico" e que, em relação às análises efetuadas aos reclusos, a única substância confirmada foi canabinoides, sendo negativo o resultado para a "ketamina".

Adiantou ainda que dois dos reclusos internados no Hospital Amato Lusitano foram transferidos para o Hospital Prisão de Caxias.

A Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP) informou na segunda-feira que a hospitalização dos reclusos da prisão de Castelo Branco está a ser investigada pela Polícia Judiciária de Coimbra e pelo Ministério Público.

Em resposta à agência Lusa, a DGRSP referiu que "os factos ocorridos estão a ser investigados pelo Serviço de Auditoria e Inspeção do Centro, que é coordenado por um magistrado do Ministério Público, estando a investigação criminal a cargo da Polícia Judiciária de Coimbra e do Ministério Público".

Segundo a nota enviada pela DGRSP, era então "prematuro avançar com quaisquer conclusões sobre os factos que estão a ser investigados e que se encontram, aliás, em segredo de justiça".

A Procuradoria-Geral da República já abriu um inquérito ao caso ligado à entrada ilegal de substâncias no Estabelecimento Prisional de Castelo Branco.

Em resposta à Lusa, a PGR informou que a investigação está a decorrer na 1.ª Secção da Procuradoria Local da Comarca de Castelo Branco.

ver mais vídeos