Tribunal

Internado por matar a mãe que via como "demónio"

Internado por matar a mãe que via como "demónio"

Sofrendo de esquizofrenia desde 1998, Luís Xavier, 51 anos, deixou de tomar a medicação em 2015 e três anos depois assassinou a mãe, em casa, no Pinhal Novo, por ver nela "um demónio que parecia um chimpanzé ou uma espécie de gorila".

Estrangulou-a, pontapeou-a e espetou-lhe canetas nos olhos. Na terça-feira, o Tribunal de Setúbal deu como provado que o técnico de ar condicionado não tinha consciência do que fazia e ilibou-o do crime de homicídio qualificado, mas mandou interná-lo no hospital prisão de Caxias, no mínimo 15 anos. Depois, os médicos avaliarão se é libertado.

A juíza Sandra Conceição avaliou o crime como "demolidor". "No meio disto tudo, a única coisa que me dá consolo como ser humano é saber que a vítima estava já sem vida quando lhe espetou as canetas nos olhos", disse a magistrada a Luís Xavier, que se manteve sem reação.

A libertação do arguido e o acompanhamento médico em ambulatório foram recusados pelo Tribunal, porque pode não cumprir o tratamento, como em 2015. "Existe um grande perigo de voltar a cometer este crime contra terceiros", disse Sandra Conceição.

Ler mais na edição impressa ou na versão e-paper