Investigação

Maddie: Um mistério com várias teorias e que continua por resolver

Maddie: Um mistério com várias teorias e que continua por resolver

Paradeiro da menina inglesa continua desconhecido. Gonçalo Amaral foi afastado da investigação depois de ter incluído Kate e Gerry McCann na lista dos suspeitos

Maddie McCann desapareceu na noite de 3 de maio de 2007, do interior de um apartamento turístico que os pais tinham alugado para gozar um período de férias, em Lagos, no Algarve. A primeira linha de investigação da Polícia Judiciária (PJ) apontou para a hipótese de a menina, então com três anos, ter sido raptada enquanto dormia na companhia dos dois irmãos mais novos e com os pais fora de casa.

Gonçalo Amaral liderou a equipa de inspetores que ficou responsável pela investigação e quando os cães da Polícia inglesa detetaram sangue na casa e na mala do carro que Kate e Gerry McCann alugaram poucos dias após o desaparecimento da filha incluiu-os na lista de suspeitos. A PJ tentou apurar se os pais de Maddie esconderam o corpo da menina após a sua morte, possivelmente em resultado de um trágico acidente, ocorrido no interior do apartamento do aldeamento turístico Ocean Club, situado nas imediações da Praia da Luz.

PUB

Gonçalo Amaral não conduziu a investigação até ao fim, porque cinco meses depois, em outubro, foi afastado do caso. Em julho do ano seguinte, no mesmo mês em que a investigação foi concluída sem que se tivesse chegado a qualquer conclusão, Gonçalo Amaral retirou-se da PJ e publicou um livro sobre o desaparecimento da menina inglesa.

"Maddie - A Verdade da Mentira" aponta para a possibilidade de a menina de três anos não ter sido raptada, mas ter morrido no apartamento algarvio e o seu corpo escondido pelos próprios pais. A obra sustenta a tese de que Kate e Gerry McCann encenaram, posteriormente, o rapto da própria filha para afastar as suspeitas sobre atos negligentes que colocaram em causa a segurança da menina.

O livro deu origem a um documentário, transmitido na TVI, que repetiu a teoria que Gonçalo Amaral também expressou em entrevistas a jornais.

Ao longo dos últimos anos, o ex-inspetor da PJ publicou outros três livros - "A Mordaça Inglesa" (2010), "Vidas sem Defesa" (2011) e "Maddie - Basta de Mentiras" (2021) - sobre o mesmo tema, mas nenhum deles integrou a queixa no Tribunal Europeu dos Direitos Humanos, cuja decisão foi conhecida nesta terça-feira.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG