Investigação

Mandou incendiar prédio no Porto e vendeu-o quando estava na cadeia

Mandou incendiar prédio no Porto e vendeu-o quando estava na cadeia

MP acusa por morte, branqueamento e extorsão no caso do incêndio da Rua Alexandre Braga, no Porto. Travada fuga de 600 mil euros para a China.

Um empresário de nacionalidade chinesa, de 24 anos, a sua mulher, três portugueses e uma sociedade são os alvos do Ministério Público (MP) na acusação pelo incêndio num prédio da Rua Alexandre Braga, no Porto, que matou uma pessoa e desalojou uma mulher de 88 anos e dois filhos que sobreviveram. A ganância por ganhos da especulação imobiliária é a motivação do crime apontada pela acusação. O que aconteceu efetivamente: já depois de preso, o principal arguido vendeu o edifício e lucrou 555 mil euros.

Extorsão, incêndio, homicídio consumado, cinco tentativas de homicídio e branqueamento de capitais são os ilícitos imputados aos cinco arguidos.

Ler mais na edição impressa ou na versão e-paper

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG