Navio "Atlântida"

Mário Ferreira constituído arguido por fraude qualificada e branqueamento de capitais

Mário Ferreira constituído arguido por fraude qualificada e branqueamento de capitais

Mário Ferreira foi constituído arguido por "fraude fiscal qualificada" e "branqueamento de capitais".

O dono da empresa de cruzeiros Douro Azul, e acionista maioritário da empresa dona da TVI, foi constituído arguido esta quinta-feira, segundo a Autoridade Tributária e Aduaneira. Mário Ferreira foi indiciado no caso da compra e venda do navio "Atlântida".

Segundo um comunicado da AT, "os factos sob investigação, que motivaram a instauração do processo em causa, reportam-se aos anos de 2014 a 2016 e consubstanciam-se numa transação efetuada com recurso a outra jurisdição, de modo a diminuir os lucros tributáveis em Portugal", explica o fisco que precisa: "este procedimento terá visado, essencialmente, reduzir os montantes a pagar, em sede de IRC, bem como camuflar uma eventual distribuição dos lucros obtidos".

Tal como o JN avançou, Mário Ferreira é suspeito de ter montado um esquema de fuga ao Fisco de cerca de seis milhões de euros, com posterior branqueamento de capitais, na compra e venda do ferryboat Atlântida.

Por essa razão, as empresas do dono da Douro Azul e dois escritórios de advogados foram alvo de buscas, no Porto, no Funchal e na ilha de Malta, por parte do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) e da Autoridade Tributária (AT).

O empresário veio a público garantir inocência e pediu ao Ministério Público para ser constituído arguido.

"Ao fim de oito anos e desde o surgimento das primeiras insinuações públicas, nunca me foi dada a oportunidade para ser ouvido no âmbito deste processo. Situação intolerável e que muito contribuiu para o empolamento deste caso", reagiu o empresário, num comentário que acompanhou o pedido formal de constituição de arguido, enviado ao DCIAP e aos jornalistas. Mário Ferreira manifestou ainda "total e imediata disponibilidade para colaborar com a Justiça, no sentido de esclarecer cabalmente todos os factos que julguem convenientes".

PUB

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG