Fafe

Militar da GNR suspeito de burlas a idosos fica em prisão preventiva

Militar da GNR suspeito de burlas a idosos fica em prisão preventiva

O militar da GNR que foi detido na passada segunda-feira, em Fafe, por burlas a idosos, vai aguardar julgamento em prisão preventiva, decidiu o juiz do Tribunal de Guimarães, esta tarde. Mulher e pai ficam em liberdade.

Sérgio Ribeiro, de 33 anos, está indiciado pelos crimes de burla qualificada, associação criminosa, fraude fiscal, branqueamento de capitais e exercício ilícito de segurança privada. O militar já estava suspenso das funções que exercia na GNR de Guimarães e, agora, vai aguardar pelo julgamento no Estabelecimento Prisional de Tomar.

A prisão preventiva pode, contudo, vir a ser alterada, caso sejam criadas condições para aplicação da medida de coação de prisão domiciliária com vigilância eletrónica. É suspeito de burlar idosos da região de Basto em centenas de milhares de euros e de viver uma vida de luxo com o dinheiro das burlas, de acordo com a investigação da PJ de Braga.

A mulher de Sérgio, Soraia Ribeiro, de 28 anos e candidata a juíza, também foi detida na passada segunda-feira em Fafe. Os crimes de que é suspeita são o de branqueamento de capitais e fraude fiscal. Já está em liberdade e vai aguardar com Termo de Identidade e Residência, a mais leve de todas as medidas de coação. Porém, está proibida de se ausentar do país sem autorização e de frequentar tribunais, exceto quando for chamada a alguma diligência no âmbito deste processo.

A proibição de frequentar tribunais significa que Soraia Ribeiro está impedida de concluir a formação que estava a frequentar para ser juíza. Isto porque está proibida de se deslocar ao Tribunal de Santa Maria da Feira, onde estava a concluir a parte prática da formação para ser juíza, bem como ao CEJ - Centro de Estudos Judiciários.

Ao contrário do marido, Soraia Ribeiro não é suspeita de pedir dinheiro emprestado aos idosos da região de Basto. A candidata a juíza terá, contudo, usufruído dos proveitos da burla, com uma vida de luxo que envolvia um apartamento faustoso em Fafe, carros topo de gama, viagens paradisíacas e vestuário e acessórios de luxo.

O pai de Sérgio, Joaquim Ribeiro, de 74 anos e motorista reformado, também fica a aguardar julgamento sujeito à medida de coação de apresentações periódicas e proibição de se ausentar do país. Tem de se apresentar todas as semanas no posto da GNR de Mondim de Basto, de onde é natural e onde pedia dinheiro emprestado aos idosos locais.

A investigação suspeita que Joaquim Ribeiro justificava os pedidos de empréstimo com a necessidade de resolve rum problema do filho com a justiça, mas a intenção não era devolver e o dinheiro era entregue ao filho, Sérgio. Quando as vítimas ameaçavam denunciar o esquema, eram intimidadas e, por isso, poucas queixas chegaram a avançar.

O quarto arguido é António Sousa, de 34 anos, segurança de profissão e kickboxer do Vitória de Guimarães. Apesar de ter sido detido na passada quarta-feira por exercício de segurança ilegal e posse de arma proibida, foi imediatamente libertado e não chegou a ser ouvido esta semana. Este interrogatório ficará para período posterior.