"Saco Azul"

Ministério Público pode não ter indiciado Vieira e Benfica SAD por branqueamento de capitais

Ministério Público pode não ter indiciado Vieira e Benfica SAD por branqueamento de capitais

Documentos esclarecem que crime de branqueamento de capitais não foi imputado a Luís Filipe Vieira e a Domingos Soares de Oliveira.

O jornal "Observador" avança que o crime de branqueamento de capitais não foi imputado ao presidente das águias e ao presidente da SAD benfiquista, tal como tinham esclarecido os advogados do Benfica. O jornal consultou documentos onde não consta este crime, mas apenas um de crime de fraude fiscal.

Esta quarta-feira, fonte da Procuradoria-Geral da República tinha avançado à agência Lusa que Luís Filipe Vieira e Domingos Soares de Oliveira, representantes legais da Benfica SAD e da Benfica Estádio, tinham sido imputados com o crime de branqueamento de capitais, para além do de fraude fiscal.

Após a notícia, os advogados do Benfica insurgiram-se contra as "inexatidões, falsidades e especulações sobre o teor da imputação" e negaram que tivesse sido imputado o crime de branqueamento.

As investigações estão integradas na operação "saco azul", incidindo sobre a obtenção de "vantagem patrimonial indevida" por aquelas sociedades nos anos 2016 e 2017.

Outras Notícias