O Jogo ao Vivo

Covid-19

Ministro anuncia 27 detenções por violação do dever de isolamento

Ministro anuncia 27 detenções por violação do dever de isolamento

Eduardo Cabrita também anunciou que 274 estabelecimentos comerciais foram encerrados pelas forças de segurança.

Desde que foi decretado o estado de emergência foram detidas 27 pessoas por "violação das regras definidas para o isolamento ou pela não acatamento reiterado de recomendações feitas pelas forças de segurança". O anúncio foi feito, na noite desta terça-feita, pelo ministro da Administração Interna (MAI), Eduardo Cabrita que, na mesma ocasião, revelou que "274 estabelecimentos foram encerrados por estarem a violar a obrigação de suspensão de atividade".

"Salientamos aquilo que é uma significativa tranquilidade quanto ao respeito por regras de isolamento e distanciamento social, que é fundamental para prevenir a salvaguarda da saúde e prevenir o alastramento da epidemia do coronavírus. Temos, todavia, a verificar comportamentos que devem ser entendidos como absolutamente inaceitáveis. A realização de atividades físicas, de caminhadas, devem ser feitas na área de residência e não se justifica, de modo algum, a deslocação em viatura automóvel para áreas de passeio, sobretudo quando tal ocorre em áreas onde facilmente se verifica a concentração de um número elevado de pessoas", afirmou o governante. Segundo Eduardo Cabrita, o Governo não permitirá "ajuntamentos nem em zonas de lazer, nem como forma de convívio em pequenas comunidades". Aliás, nem os emigrantes de regresso a casa terão direito a uma maior tolerância. "Devem manter, mesmo que com saudades de quem não veem desde o verão passado, o distanciamento social que os portugueses residentes no território nacional vêm de forma tão rigorosa a aplicar", disse.

No final da segunda reunião da estrutura de monitorização do estado de emergência, que envolveu as forças de segurança e membros de 12 ministérios, o responsável do MAI apelou ainda aos portugueses para não fugirem para regiões do interior. "O risco desta epidemia é igual em todas as áreas, nas cidades, no campo, nas aldeias, nas vilas. Por isso, o risco de ter um ajuntamento à porta de um estabelecimento de uma grande cidade ou em torno de um pequeno café da aldeia é exatamente o mesmo. E as regras sobre encerramento de atividade e sobre a limitação da atividade ou para o fornecimento de comidas para fora ou entrega ao domicílio são absolutas e não pode ser admitido o ajuntamento para consumo de bebidas alcoólicas junto à entrada de estabelecimentos que, alegadamente, estão exclusivamente a servir comida para fora", defendeu.

O ministro da Administração Interna revelou, ainda, que foi "acionado o plano nacional de emergência". "Isso permite enquadrar quer os planos distritais que foram já acionados, quer os 55 planos municipais que as autarquias decidiram acionar. Em estado de emergência, as regras sobre isolamento têm de ser proporcionadas, adequadas e, por isso, a ministra da Saúde irá estabelecer uma orientação coerente nacional, que permitirá dar unidade a um conjunto de decisões locais que não são exequíveis, como são a sujeição de cidadãos nacionais de isolamento no plano interno com caráter genérico e indiscriminado", explicou.

A Covid-19 já provocou 33 mortos em Portugal e estão registados 2.362 casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o mais recente balanço feito pela Direção-Geral da Saúde (DGS).

PUB

Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 2 de março, encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até às 23:59 de 2 de abril.

Outras Notícias