Premium

Morte de pescadores na Justiça há 12 anos e meio

Morte de pescadores na Justiça há 12 anos e meio

"É uma vergonha, já andam nisto há 12 anos e meio", protesta a viúva Maria Elisabete Imaginário, contra a lentidão do sistema de Justiça na resolução do processo-crime destinado a apurar as responsabilidades de sete arguidos e três entidades demandadas pelo naufrágio que matou dois pescadores, em 19 de março de 2007, junto da Ponte dos Arcos, na Figueira da Foz.

Maria Elisabete Imaginário é viúva de uma das vítimas do naufrágio, associado a obras naquela ponte que complicaram a navegabilidade do braço sul do Mondego. A mulher queixou-se da morosidade da justiça, em declarações ao JN, após o encerramento da sessão de julgamento, na sexta-feira à tarde, onde o Tribunal de Coimbra deveria ter ditado a sentença, mas decidiu adiá-la, para data incerta.

Numa sala de audiências grande e com má acústica, Maria Imaginário não percebeu a razão do adiamento e, após breve conversa com o JN, já não encontrou o seu advogado no tribunal para lhe pedir a explicação.

Outros Artigos Recomendados