Espinho

Professora confessa venda do recheio de casas arrendadas para garantir sustento

Professora confessa venda do recheio de casas arrendadas para garantir sustento

Uma professora de 44 anos admitiu, esta sexta-feira, no Tribunal da Feira, ter vendido os bens de apartamentos onde esteve a viver como inquilina para desta forma fazer frente às alegadas dificuldades financeiras e garantir a guarda partilhada de um filho.

Perante o coletivo de juízes, a mulher, que está indiciada por um crime de burla, um crime de abuso de confiança e dois crimes de falsificação de documento, afirmou estar arrependia admitindo que não olhou a meios para "atingir os fins". "E fi-lo da forma mais errada possível", reconheceu.

Admitiu os factos constantes na acusação, incluindo a venda do recheio dos apartamentos onde esteve a viver, que justificou com a necessidade de pagar as rendas e poder alimentar os dois filhos, um de oito meses e outro de 11 anos.

"Fi-lo por dois filhos e por uma necessidade enorme de sobrevivência", afirmou a professora do ensino secundário.

De acordo com a acusação, a mulher arrendou um apartamento na Feira, em 2017, tendo para o efeito colocado como fiador o ex-companheiro, sem conhecimento ou autorização deste. Usou o mesmo método para efetuar a contratação de água, tendo inclusive falsificado a assinatura deste.

A professora terá, ainda, retirado desta habitação os móveis de cozinha, eletrodomésticos e outros bens no valor de 3435 euros.

O Ministério Público acusou, ainda, a arguida de ter vendido uma placa de fogão de uma outra habitação, em Ovar.

PUB

De referir que a professora já tinha sido condenada noutro processo que decorreu em Ovar, por um crime de abuso de confiança, também por se ter apropriado de vários objetos de uma habitação.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG