Vila do Conde

Mulher dá facada a ladrão e evita assalto da própria casa nas Caxinas

Mulher dá facada a ladrão e evita assalto da própria casa nas Caxinas

Os dois homens entraram na casa pela cave, mas foram surpreendidos pela dona. A mulher foi violentamente agredida. Os suspeitos estão em fuga.

Foi agredida a soco e pontapé, depois de ter surpreendido dois ladrões, dentro da sua própria casa. Acabou por dar uma facada num dos assaltantes que, garante, fugiu com a faca espetada no abdómen. Aconteceu esta segunda-feira à tarde, na avenida Cidade de Guimarães, nas Caxinas, em Vila do Conde. A dupla de ladrões está em fuga.

Eram 17.00 horas quando a mulher, com cerca de 25 anos, saiu de casa, aos gritos, a pedir socorro. Tinha acabado de ser vítima de assalto e tinha ferimentos vários.

À PSP, contou que os assaltantes - dois, ainda jovens - terão entrado pela cave da casa e subido ao 1.º andar. Ao vê-la, agrediram-na violentamente com socos e pontapés. A mulher tentou reagir, acabou por agarrar uma faca de cozinha e espetou-a no abdómen de um dos ladrões. Surpresos com a reação, os dois assaltantes puseram-se em fuga. A mulher garante que um deles levava "a faca espetada na barriga".

Com a mulher já na rua, foram os trabalhadores de uma obra de saneamento, a decorrer ali à porta, que chamaram a PSP. Dizem não ter vistos os ladrões e, nas lojas em frente, também ninguém deu por nada.

"Só nos apercebemos quando veio a polícia e os bombeiros", contou, ao JN, a dona de uma loja, ali mesmo em frente, ainda incrédula com o relato da mulher. No prédio ao lado, uma vizinha também garante não ter ouvido nada, mas a verdade é que, na zona, os assaltos têm sido vários e muitas vezes "em pleno dia".

A mulher foi assistida no local pelos Bombeiros da Póvoa de Varzim, mas não precisou de ir ao hospital.

A PSP esteve no local e está, agora, a investigar o caso, mas, por agora, nem sinais dos dois assaltantes. Nenhum deu entrada no hospital local.

Onda de assaltos assusta moradores

Na avenida Cidade de Guimarães, garante quem ali mora e trabalha, os assaltos têm sido "muitos" e "muitas vezes, em pleno dia". A semana passada roubaram um carro e, dois dias depois, um volante de um outro. "A polícia veio perguntar se eu vi e eu, aqui em frente, não dei por nada", contou, ao JN, uma comerciante.

Várias lojas foram já alvo de assalto: nuns casos, há portas estroncadas e entradas à hora de almoço ou ao final do dia; noutros, clientes que depressa se transformam em ladrões.