Tribunal

Mulher que perseguiu Isaltino condenada a mais seis anos de prisão

Mulher que perseguiu Isaltino condenada a mais seis anos de prisão

O Tribunal de Cascais condenou uma mulher a seis anos e três meses de prisão por perseguição ao presidente da Câmara de Oeiras, Isaltino Morais, e outras seis pessoas, incluindo a filha mais velha do autarca, o seu adjunto e dois vereadores.

Andreia M., de 43 anos, já está a cumprir uma pena de sete anos de prisão em Tires pelo mesmo tipo de crimes contra outras pessoas, pelo que, irá cumprir uma pena de mais de 13 anos de detenção, noticiou o site Cascais24.

O Tribunal Coletivo de Cascais deu como provados um crime de perseguição, três de injúria, quatro de difamação, dois de gravações e fotografias ilícitas, três de ameaças e ainda um de acesso ilegítimo, aplicando uma pena de prisão de seis anos e três meses em cúmulo jurídico.

Segundo o site Cascais24, a arguida, que foi colaboradora no secretariado na sede da campanha "Inovar Oeiras de Volta", enviava "mensagens, com ameaças e injúrias através de telemóvel, para pessoas que exerciam funções na Câmara Municipal de Oeiras e na Junta de Freguesia de Oeiras, além de publicações em blogues com conteúdo vexatório, ofensivo e assustador para as prejudicar pessoal e profissionalmente".

"Revela uma personalidade e um padrão compulsivo, com dificuldade em controlar estados emocionais negativos e alheamento dos valores sociais básicos", refere o acórdão, de acordo com o site de informação local de Cascais.

Segundo o tribunal, os alvos foram "escolhidos intencionalmente" após a reeleição de Isaltino Morais na presidência da Cãmara de Oeiras devido às funções que tinham sido atribuídas a cada um.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG