Supremo Tribunal

Pais de Angélico Vieira têm de pagar indemnização

Pais de Angélico Vieira têm de pagar indemnização

Supremo deu razão à ex-modelo que ficou incapacitada na sequência do acidente de BMW.

Os pais de Angélico Vieira foram condenados, enquanto herdeiros, a pagar uma indemnização, juntamente com o stand Impocar (ex-Auguscar) e o Fundo de Garantia Automóvel, a Armanda Leite, a ex-modelo que sofreu graves ferimentos após o despiste do carro conduzido pelo artista, em junho de 2011.

A decisão do Supremo Tribunal de Justiça refere que a jovem, que tinha 17 anos quando viajava no banco de trás do BMW, tem direito a receber 551 mil euros pelos danos sofridos. Recorde-se que, na sequência deste acidente, Angélico Vieira morreu e Armanda Leite ficou incapacitada de forma definitiva. A ex-modelo necessita, inclusive, de ajuda de terceira pessoa para realizar as mais básicas atividades do dia a dia.

"Esclarece-se que a condenação dos réus no pagamento das despesas é uma condenação única - com o sentido que a sentença já fixara (a quantia que vier a liquidar referente a intervenções cirúrgicas, internamentos, tratamentos e medicação que a mesma venha a necessitar, tudo por indicação médica) em resultado das lesões/sequelas decorrentes do acidente", lê-se no acórdão consultado pelo JN.

Esta decisão surge depois de o tribunal de 1.ª instância ter condenado os pais de Angélico Vieira (enquanto herdeiros), o stand dono do carro e o Fundo de Garantia Automóvel ao pagamento de uma indemnização superior a três milhões de euros.

Porém, esta sentença foi alvo de recurso, que levou a Relação do Porto a manter a condenação à Impocar e ao Fundo de Garantia Automóvel, mas a absolver os herdeiros do ex-cantor e ator. Posição que foi agora revertida, no que diz respeito aos pais de Angélico.

Despiste a 200 quilómetros/hora em carro sem seguro

O BMW conduzido por Angélico Vieira circulava a cerca de 200 quilómetros/hora na A1, quando, pelas 3.15 horas, de 25 de junho de 2011, se despistou. Perícias posteriores provaram que rebentou um pneu, mas o tribunal entendeu que esta não foi a única razão para que o carro, que não dispunha de seguro, tenha sofrido o acidente.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG