O Jogo ao Vivo

Crimes de Aguiar da Beira

Pedro Dias confessa homicídio de militar da GNR

Pedro Dias confessa homicídio de militar da GNR

Pedro Dias, que está a ser julgado no Tribunal da Guarda, rompeu, esta quinta-feira, o silêncio sobre o caso em que está acusado de triplo homicídio e duas tentativas de assassinato.

Quase três meses e meio após o arranque do julgamento no Tribunal da Guarda, o suspeito dos crimes de Aguiar da Beira, contou, esta quinta-feira, a sua versão dos acontecimentos.

PUB

Pedro Dias admitiu ter uma arma de fogo no carro, quando parou junto à zona industrial de Vila Chã, em Aguiar da Beira, onde disse ter parado para descansar. "Não parei na localidade porque as pessoas são desconfiadas à noite e por isso escolhi um local ermo".

Sobre a arma que trazia declarou: "Já tinha tido problemas com cães selvagens e por isso é que andava armado".

Quando foi abordado pela GNR, continuou Pedro Dias, disse ter sido acordado por lanterna apontada à cara. O militar do lado esquerdo pediu para que saísse e insistiu em perguntar o que é que estava a fazer no local. "Mandaram-me ir ao carro da GNR", disse. Perguntaram-lhe se tinha processos pendentes e também verificaram que o carro que conduzia não era seu.

"A única coisa ilegal que tinha era um jerrican de gasóleo", declarou.

Tiro contra militar da GNR

Mais tarde, durante uma troca de palavras com os militares da GNR, Pedro Dias diz ter sido agredido por um deles com um pontapé na perna esquerda e um murro no rim. "Chamou-me de pilha-galinhas", explicou. Terá sido novamente agredido. Caiu e continuou a sofrer agressões, com joelhadas e murros. "Puxo da minha arma para que aquilo acabasse e atirei", revelou, acrescentando: "O meu objetivo não era matá-lo, mas fazer com que ele terminasse aquelas agressões".

Depois, Pedro Dias conta que apontou a arma ao guarda Ferreira e o obrigou a entrar no carro, abandonando o corpo de Caetano no chão. "Andei com o guarda Ferreira no carro durante muito tempo sem direção e ao fim de algum tempo decidi voltar ao Hotel da Cavaca porque o corpo do Caetano ainda lá estava no chão", explicou ao tribunal.

Dizendo que a sua cabeça "estava uma confusão", revelou que obrigou o militar que o acompanhava a meter o colega na mala do carro-patrulha. "Não sabia o que fazer". Na sua versão dos factos, Pedro Dias afirma que terá afirmado ao guarda Ferreira que lhe tinham estragado a vida toda. "Por que o fizeram?", terá perguntado.

Abordagem a Liliane e Luís Pinto

Sobre o homicídio de Liliane e Luís Pinto, Pedro Dias descarta qualquer culpa no caso e acusa o militar da GNR. Diz que ele e o guarda Ferreira andaram de carro "sem saber para onde" e afirma que o guarda lhe terá proposto "arranjar um cigano qualquer para culpar" do homicídio do colega.

Depois, após uma inversão de marcha, diz que o carro do casal lhe fez sinal de luzes e saiu alguém do lado do condutor. Segundo Pedro Dias, o militar saiu do carro e disparou dois tiros, quando tentava acertar nele. "A senhora fuja", afirma ter dito, para depois ouvir mais "dois ou três disparos". Segundo ele, encostou a pistola à cabeça do GNR para impedir que continuasse a disparar.

"O casal foi atingido por disparos acidentais do guarda Ferreira quando disparava na minha direção", disse Pedro Dias.

Em fuga novamente, terá mandado o guarda Ferreira algemar-se a um pinheiro, num sítio onde já tinha estado parado previamente. Antes assumiu que disparou contra ele. "Ele atirou-se a mim", afirma. Depois, regressou ao local onde o casal tinha ficado e usou o Passat em que seguiam para encetar a fuga. Foi buscar a sua carrinha e, mais tarde, trocou de carro, com o objetivo de chegar a Espanha, o que acabou por não acontecer.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG